Síndrome do Pânico não mata – Bacellart Psicólogo USP

Síndrome do Pânico não mata     

Nem provoca AVC, ataque cardíaco, etc* – contudo, vale a pena questionar seu médico.

     Uma pergunta que é comum em quem está passando por um momento de síndrome do pânico ou ataques de ansiedade; sobretudo pela aceleração cardíaca, é se é possível morrer, ter avc ou uma internação séria. Não, síndrome do pânico não mata; se por acaso tenha ocorrido uma morte que foi comprovadamente causada pelo pânico; deve ser uma situação rara

     É um exercício importante, comum e constante, para quem está em síndrome do pânico, lembrar-se disso, lembrar-se das experiências que teve o pânico e depois tudo coltou ao normal.

    * Ou a chance é minúscula. Assim como é muito pequena (para a maioria das pessoas em saúde normal), ter um avc e ataque cardíaco;ou seja, se ocorrer algo desse tipo (probabilidade minúscula), não foi devido ao pânico, mas sim outros problemas.

© Copyright – Bacellart Psicólogo USP. O ensaio aqui publicado pode ser reproduzido, no todo ou em parte, desde que citados o autor e a fonte.

     Pelo fato de o pânico surgir em qualquer momento, imprevisto, isso deixa a pessoa muito insegura; devido a perceber profundamente, que não tem controle sobre si mesma. Alias, não termos controle sobre nós mesmos é uma questão básica: sem uso de substâncias químicas, não controlamos nossos rins, nossa química cerebral, nossa personalidade. Mesmo com uso de drogas/remédios, o “controle” é relativo. Quando digo que não controlamos nossa personalidade, quero dizer desde as questões mais básicas, como por exemplo escolha da preferência sexual, necessidade de afeto, necessidade de ter sentido em várias questões da vida, etc.

     Conseguir aceitar que não controlamos o universo, as pessoas e nós mesmos, é um passo para lidar com o pânico, e mais: o pânico pode também advir uma necessidade de controle, deixando a vida muito mais estressante de como ele é, afinal, são muitas coisas para se controlar, família, profissional, cuidados pessoais, etc. E além disso, tem sempre a insegurança de se algo vai realmente ser resolvido, e também as chateações com as frustrações.

Síndrome do Pânico não mata – Tratamento:

Mas obviamente precisa de cuidados psicológicos e médicos

     Se a síndrome do pânico foi desencadeada pelo excesso de solicitações (estresse), tanto externo mais sobretudo interno, então é um importante começo uma nova postura na vida, sem excessos insuportáveis, que desencadeiam também uma depressão.

     Quanto a Síndrome de Pânico, uma boa notícia: para quem se dedica seriamente a psicoterapia, e talvez com uso de remédios, a recuperação não é demorada. O que é mais demorado, é que para uma efetiva mudança, para não se repetir a síndrome de pânico futuramente, é desenvolver sua personalidade, sobretudo em possíveis inseguranças, ansiedades, necessidade de controle, desejo de realizar muitas tarefas e sempre.

Visão Médica: Artigo Hospital A. Einstein

Artigos relacionados: Síndrome de PânicoEstresse 

Bacellart Psicólogo

Abordagem: psicoterapia fenomenologia existencial (Heidegger) e simpatia pela Psicanálise do amadurecimento de Winnicott. Se necessário, orientação comportamental de terapia breve.

Aluno convidado, doutorado USP (Gilberto Safra) e PUC (Zeljko Loparic).

Especialista em depressão, casamento e namoro.

Consultório Av. Paulista, Jardins, Cerqueira César, Bela Vista, Jardim Paulista. Metrô Consolação ou Masp/Trianon.

Possibilidade de entrevista para TV, rádio, revista e jornal.

 Síndrome do Pânico não mata


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *