Viver o Agora é bom? – Bacellart Psicólogo USP

Viver o Agora é bom?

Cuidados:

Dependendo de quanto se perde ou não o passado e o futuro:     

Temporalidade – Somos passado-presente-futuro

     Dependendo da perspectiva, viver o agora é bom? ou ruim. Experimenta-se com maior intensidade, se usufrui com maior amplitude. Saber de seu passado é importante para ajudar a entender sua identidade através de sua história, lembrar dos aprendizados que a vida nos proporcionou, e o que se quer para adiante, ou seja o seu futuro. Esperança/planos/objetivos/direção/horizonte, é futuro, quem está no agora, perde o passado e o futuro, isso não faz bem!

“Experimento viver sem passado, sem presente e sem futuro e eis-me aqui livre.”

Um Sopro de Vida, Clarice Lispector

Porque se diz que viver o agora é bom? – Como uma criança:

     Isso certamente diz respeito a pessoas que tem dificuldade em lidar com um passado doloroso e que tem muitas preocupações. Nesse sentido, até parece interessante, deixa de ser assombrada por seu passado, e se alivia tensão com o por vir.

    Contudo, nessa proposta, a pessoa esqueceria como foi a infância com seu filho que tanto ama, as conquistas que teve na vida; assim como anularia sua esperança, esperança é futuro, certo? Também cancelaria seu seguro saúde, aposentadoria, etc. Uma pessoa sem esperança perde o sentido de vida e pode entrar em depressão.

   Passado é aprendizado, futuro é esperança. Não se pode descartá-los

© Copyright – Bacellart Psicólogo USP – O ensaio aqui publicado pode ser reproduzido, no todo ou em parte, desde que citados o autor e a fonte.

Viver o Agoraé bom? Face Boa:

     Como o ‘agora’ é o que se tem de mais certo, por exemplo durante uma leitura, uma conversa, uma refeição, vivê-los intensamente será maravilhoso; melhor que ficar com lembranças do passado ou projeções do futuro, elas quebram o momento atual. A intensidade diz respeito também a viver o presente com mais atenção.

     Experimentar de forma saudável viver o agora, não é tão fácil, sobretudo em uma vida corrida, cheia de preocupações ou mesmo de desejos, nossa atenção constantemente é quebrada. Por vezes, quando não se está vivenciando “unicamente” o momento, nos distraímos e não aproveitamos bem a situação. Também, nessas distrações do dia-a-dia, cometemos erros, e tempo que se gasta redigitando, relendo, refazendo, é maior do que fosse feito com menos rapidez. É nisso que o vivenciar calmamento o agora, deixa-o mais bonito e gostoso.

    No final do século passado, foi inaugurado um movimento chamado slow food, onde há a proposta de usufruir a gastronomia com calma, o produtor, os companheiros, enfim, obviamente contrapondo-se com o fast food. Tomo esse movimento como exemplo, de como viver o agora pode ser saudável, vivenciando o ver mais plenamente, usufruindo com detalhes o que nos é oferecido.

     Viver o agora deixa a existência menos pesada e séria, pois há menor tentativa de controle da vida, vivendo-a conforme vai se desenrolando. Isso parece ser interessante, além de trazer menos preocupações.

Dicas básicas para quem SÓ consegue viver no Agora:

     Costumo dizer que “a pessoa não pode confiar em si mesma”, no sentido que certamente ela repetirá as trapalhadas por não conseguir lidar com o tempo. Minha sugestão básica, é sempre a de usar agenda semanal e de papel. Sim, sei que parece antiquado, e não é prática para levar consigo como em um celular. Recomento então usar as duas agendas, além de calendário pendurado, postit, relógio de pulso e de parede. Caso você não se interesse por nada disso, minha sugestão é que você procure por algo para não se perder. Caso queira fazer terapia, ótimo vamos desenvolver sua temporalidade, mas é preciso um tempo (vários meses) para isso ocorrer.

     O problema agenda de celular: É uma agenda prática, eu a uso também, contudo, é preciso uma boa disciplina para olhá-la ao menos 2x por dia, pois confiar que ela avisará seu compromisso com 2 horas antes, por exemplo, pode ser uma armadilha. Se a pessoa está envolvido com um trabalho às 15:00 horas, e é aviso de um compromisso que iniciará às 17:00 e exige 1 hora de deslocamento, não adiantará, pois não resolverá seu problema até as 16:00. Claro que pode-se anotar para a agenda avisar com 12-6-4 horas de antecedência e realmente ajudar, mas há também o problema de o celular estar desligado, sem volume ou distante.

     Agenda semanal: No século passado era mais comum. Esse tipo de agenda, quando aberta, você tem a visão de todos os dias da semana, e é mais fácil para anotar compromissos diversos, colar postit, fazer mais anotações.

Conselho-Resumo

Conciliar estar mais presente em viver o agora, usufruindo-o; mas conseguindo “viajar no tempo”, lembrando suas vivências/aprendizados e abrindo possibilidades e esperança.

Fonte: Ser e Tempo, Heidegger – Seminários de Zollikon

Artigo Relacionado: Sentido de Vida

Bacellart Psicólogo

Abordagem: psicoterapia fenomenologia existencial (Heidegger) e simpatia pela Psicanálise do amadurecimento de Winnicott. Se necessário, orientação comportamental de terapia breve.

Aluno convidado, doutorado USP (Gilberto Safra) e PUC (Zeljko Loparic).

Viver o Agora é bom?

Consultório Av. Paulista, Jardins, Cerqueira César, Bela Vista, Jardim Paulista. Metrô Consolação ou Masp/Trianon.

Possibilidade de entrevista para TV, rádio, revista e jornal.

Vamos ajudar doando conhecimento?
viver o agora é bom?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *