Não gosto do meu Trabalho – Bacellart Psicólogo Coach USP

Não gosto do meu trabalho:

Fortalecimento pessoal para lidar com as adversidades da vida

     Quanto mais maduro ou desenvolvido o indivíduo for, melhor enfrentará essa situação de: não gosto do meu trabalho. Isso é o básico que buscamos em uma psicoterapia ou coach.

     Para escrever esse texto, eu me vali de minha vivência no consultório. A atenção será em pontos de sua personalidade; que podem ser desenvolvidos para que você suportar de forma menos dolorosa esse momento no seu emprego, até conseguir outra colocação.

© Copyright – Bacellart Psicólogo USP – O ensaio aqui publicado pode ser reproduzido, no todo ou em parte, desde que citados o autor e a fonte.

Não gosto do meu trabalho –

    Essa é uma ótima situação para você treinar a resiliência / paciência / aceitação.

 Esses são pontos que te deixarão mais forte e sábio; e serão usados também no próximo trabalho e diversas outras situações da vida. Veja a definição de ‘resiliência’ do dicionário Houaiss: 2) Sentido figurado – capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças. 3) Etimologia, inglês – elasticidade. O que lembra a velha história do ‘bambu’: que numa ventania forte se verga até ela cessar e ele voltar a posição original (flexibilidade), e da árvore que tomba (rigidez).

     Já que você está numa situação de resolução não rápida; afinal continuar em um trabalho que não gosta é frustrante, você poderá ter vários aprendizados, por pior que seja, será preciso “cavar” bem. Mas é possível sim, até esse ato de no meio de tanta coisa ruim, conseguir encontrar algo que no mínimo seja interessante, já é algo bom que poderá utilizar sempre. Pode parecer meio absurdo isso, mas, por exemplo. 1) A responsável pela copa  te mostrou umas misturas interessantes para preparar chás diferentes que você gostou muito. 2) O CEO da empresa, apesar de ser autoritário, é criativo e consegue antecipar alguns movimentos do mercado, é um referencial para você. 4) Um colega gosta de você e te faz sorrir, a decoração te agrada, etc.

    Mesmo assim, isso é muito pouco para você? seu trabalho é mecânico e repetitivo?

     Poderia dizer de uma forma “romântica/pollyanna”, que beber café é um “milagre” da vida, que depende de vida, saúde, possibilidade de existir café, moagem, água potável, copo, etc, e isso estar à sua disposição e você faz uso na empresa, tem o seu valor. É interessante “inaugurar agoras”… Para amenizar o sofrimento, você conseguiria alguns segundos para: observar o céu, planejar o fim de semana, observar como se sente em várias situações, compreender melhor o que deseja desenvolver em si mesmo… O que fará com os 30/40 minutos que sempre tem livre a noite, o mesmo de sempre?

Como continuar em um trabalho que não gosta –

Desenvolvimento Pessoal:

     Como dito acima, sobre maturidade e resiliência. A questão básica para suportar esse momento é o quão sua personalidade consegue lidar com. 1) Agruras. 2) Sonhos desfeitos e; 3) Frustrações. Por exemplo, se é ansioso vai querer sair o quanto antes dessa situação, o tempo demorará mais a passar, se costuma enxergar os pontos negativos da existência; esse momento se tornará mais sombrio…

     Bem, espero que não demore muito para se aposentar ou mudar de emprego. O que eu gostaria de trazer, que vejo acontecer algumas vezes; é o indivíduo ter a expectativas de que o próximo emprego seja melhor em vários pontos que o atual. É preciso analisar o quanto esse sonho é de fato possível.

     É preciso, através do autoconhecimento, decidir com propriedade e clareza; suas prioridades para fazer a escolha mais próxima do que se quer, do que se é, do que é realizável.

     A sua escolha: Caso você, por exemplo continua em trabalho que não gosta, e um outro que poderia ser mais a sua essência, você não troca porque iria ganhar 30% a menos, se desligar do serviço público, descer uma posição no cargo e etc; lembre-se que então; você fez a escolha por permanecer nesse local, por achar que no que há disponível seria pior para você, e tente se consolar, digamos assim, que ao menos você teve o poder de escolha e decidiu continuar.

Relacionamento social-profissional, ou Networking:

     É algo que você pode ir desenvolvendo, até para que seja usado em outro emprego; ou ao menos, abrir-se para encontrar o que cada um tem de melhor, e nessa troca, o tempo fluir melhor e quem sabe não possa vir uma boa amizade? Relacionamento com pessoas sempre pode lhe acrescentar algo, sobretudo boas emoções.

 

Artigo Relacionado: Como melhorar o relacionamento com o gestor

     É importante lidar com uma adversidade desse tipo, isso o fortarecerá:

Vídeo: Como continuar em um trabalho que não gosto:

 

 

Bacellart Psicólogo Terapia

Abordagem: Fenomenologia existencial (Heidegger) e simpatia pela Psicanálise do amadurecimento de Winnicott. Se necessário, orientação comportamental de terapia breve, coach profissiona, pessoal e do amor.

Aluno convidado, doutorado USP (Gilberto Safra) e PUC (Zeljko Loparic).

Especialista em depressão, casamento e namoro.

Consultório 1) Av. Paulista, Jardins, Cerqueira César, Bela Vista, Jardim Paulista. Metrô Consolação ou Masp/Trianon.

Possibilidade de entrevista para TV, rádio, revista e jornal.

Você encontrou esse texto, pois procurou por: Não gosto do meu trabalho.

 Não gosto do meu trabalho