Intolerância e Rigidez – Bacellart Psicólogo USP

Idealização do mundo perfeito na intolerância e rigidez:

     A pessoa que existe na intolerância e rigidez, é como se entendesse que o universo, o mundo, mas pessoas; deveriam/poderiam ser, corretas, com grandes virtudes, louváveis. Por vezes parecem de uma ingenuidade de uma criança que realmente crê isso ser possível; bastaria as pessoas terem a consciência de que são más e seguirem os caminhos dos bons e justos.

© Copyright – Bacellart Psicólogo USP. O ensaio aqui publicado pode ser reproduzido; no todo ou em parte, desde que citados o autor e a fonte.

 

Política e Religião

     Essa idealização de mundo moralmente perfeito, naturalmente é algo lindo e desejável; mas difícil de ser posta em execução devido à natureza humana, desde sempre estamos em guerra. Claro que há melhoras notáveis em nossa história, mesmo em países onde há muita miséria como a Índia; contudo, como “deveria” ser, o “humano” idealizado moralmente, sobretudo por uma pessoa rígida; o deixa muito frustrado.

     Logo, caso esteja engajado em uma visão determinada visão política e/ou religiosa, geralmente tecerá severas críticas a quem não segue essa forma de ser; e novamente se frustrará com membros de sua congregação que saíram do ideal de comportamento pregado pela própria instituição.

Ética e Moral:

Cito o Dicionário Houaiss:

Moral:

4.1 Que denota bons costumes, boa conduta, segundo os preceitos socialmente estabelecidos pela sociedade ou por determinado grupo social. 4.2 que denota honestidade; correto.

Ética:

1 parte da filosofia responsável pela investigação dos princípios que motivam, distorcem, disciplinam ou orientam o comportamento humano (…).

Conclusão: muitas vezes o indivíduo existindo na rigidez e intolerância, citará preceitos da lei jurídica, política, moral e/ou de Deus, para julgar negativamente os atos que entende incorretos dos indivíduos; e defender sua visão purista e ortodoxa dos seus valores.

Casamento/relacionamento pessoal e com o psicólogo

     Muitas vezes uma pessoa com rigidez e intolerância pode até conseguir relacionar-se amorosamente/socialmente; contudo em relação a ter amigos, é mais difícil, pois, devido à dificuldade em flexibilizar, como exige uma relação; e muitas vezes por o outro não seguir seus padrões de ser ‘correto’.

Intolerância e Rigidez –

A Mentira e a dissimulação:

     Ambas são usadas nas relações humanas, não apenas para prejudicar; mas muitas vezes para proteger uma pessoa de uma informação que ela não estava preparada para receber, como contar a uma criança que o pai não está viajando a trabalho, mas por ser suspeito de abuso sexual com seu primo; ou caso o patrão pergunte o que ele acha da empresa, não dizer que acha incorreto vários pontos para manter o emprego. Assim, o rígido, por vezes precisa “escapar” de situações que possam ir contra seus preceitos, fazendo muito uso de seu direito de calar-se, omitir.

     Então, por não conseguirem flexibilizar no uso de “táticas sociais”, da chamada “mentira branca”, dizerem o que realmente pensam, serem severos e intolerantes; de modo geral seus relacionamentos tendem a serem poucos e quase sem intimidade/abertura; podendo muitas vezes sentirem-se sós.

Formalidade:

     Entra nessa questão de trato social, o jeito de ser formal, por ser o “correto” e evitar intimidade e trocas sociais que são indesejáveis pelos atritos de visão de existência. Na formalidade existe a “maneira correta de como se portar”, é o que faz consigo e deseja com os outros.

O problema com o psicólogo:

      O analisando por vezes poderá querer interromper sua terapia devido ao psicólogo não agir em algum detalhe que ele gostaria, causando uma enorme decepção. Por outro lado, se o psicólogo se porta como ele, formal e perfeito; terá mais dificuldade em “ir quebrando” a casca dura do analisando. Isto é, portanto, uma relação delicada e difícil.

 

A enorme dificuldade de ao menos atenuar a intolerância e rigidez, mesmo fazendo terapia:

    A necessidade psicológica que constituiu o indivíduo para ter essa postura “firme”, para que se caminhe rumo à flexibilização e compaixão é muito difícil e demorada; mas possível como a famosa “agua em pedra dura”. Precisa ser aos poucos, pois para a pessoa emocionalmente se estruturar e precisar menos da rigidez é algo bem gradual; para ser uma verdadeira mudança.

Semelhança com o TOC

     Um indivíduo obsessivo-compulsivo, terá como base de ser, uma rígida existência que lhe garanta lidar melhor com medos. Quando se tem tudo planejado e por controle; ou ao menos acredita ter, sente-se menos desconfortável, por isso essa inflexibilidade geral.

 

Resumo em poucas palavras: Pessoa de bonitos princípios éticos, mas brigando com tudo. Intolerância e Rigidez

 

Bacellart Psicólogo

Abordagem: psicoterapia fenomenologia existencial (Heidegger) e simpatia pela Psicanálise do amadurecimento de Winnicott. Se necessário, orientação comportamental de terapia breve.

Aluno convidado, doutorado USP (Gilberto Safra) e PUC (Zeljko Loparic).

Especialista em depressão, casamento e namoro.

Consultório Av. Paulista, Jardins, Cerqueira César, Bela Vista, Jardim Paulista. Metrô Consolação ou Masp/Trianon.

Possibilidade de entrevista para TV, rádio, revista e jornal.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *