Ciúmes Controlar não – Desenvolvimento sim – Bacellart Psicólogo USP

Ciúmes Controlar não – Desenvolvimento sim: 

     Por vezes escuto em várias situações o quanto é ótimo o companheiro(a) sentir ciúmes; pois isso seria a grande prova de amor, visto que, como se diz; “quem não se preocupa, não sente ciúmes, logo não sente medo, não gosta ou ama”. Não vale a pena ter controle para sempre, se houver um desenvolvimento da sua personalidade, não precisará ficar se contendo. Por isso esse tema: Ciúmes Controlar não – Desenvolvimento sim.

     O que mais me chamou atenção, depois de ver isso em filmes e seriados; foi, quando estava na academia de ginástica, escutei da TV uma mulher aconselhando a amiga que: “você deveria dar graças a Deus do seu marido ter ciúmes; e  digo mais, isso é um poderoso afrodisíaco”. Ou seja, é difundida a fantasia que o ciúmes é bom para a relação; inclusive sendo algo que aumentaria o apetite sexual de quem recebe uma enxurrada de questionamentos autoritários.

      © Copyright – Bacellart Psicólogo USP – O ensaio aqui publicado pode ser reproduzido, no todo ou em parte; desde que citados o autor e a fonte.

Possíveis origens para  pertubação do ‘ciúmes controlar’:

     Falhas no amadurecimento da criança em questões relacionadas a ser mimado; um irmão que recebeu muita atenção (geralmente mais novo); baixa autoestima (sente que é menos interessante que os outros); ansiedade/medo, ou seja, insegurança na confiabilidade de vida e do parceiro(a); traumas de relações anteriores, flexibilização de valores de vida; e por último, com menor importância, fama dos homens de serem “canalhas” ou, mas no atual século, de a mulher estar “mais soltinha”.

     A monogamia (relacionar-se com apenas uma pessoa), de alguma forma se sabe que não é algo fácil; pesquisas indicam que até os 25 anos de idade, mulheres tem outros parceiros na mesma proporção que os homens; isso aliado a facilidades tecnológicas como aplicativos de relacionamento, celular, realmente facilitam ter outra pessoa.

A questão de usar senha no celular e a “invasão de privacidade”:

     Essa é uma questão delicada, basicamente tem a ver com a cumplicidade e abertura do casal; bem como a compreensão e aceitação de um para o outro: abrir uma dificuldade, um pensamento “esquisito”; por exemplo, ele diz a ela que quer largar o emprego público para montar uma consultoria, mas tem medo disso; ela diz a ele que seu professor da faculdade a convidou para um café e, ela gostaria muito disso. Se o casal tem dificuldade em se abrir um com o outro, imaginando (ou tendo certeza) que haverá discussões, não só pela outra parte, mas por si mesmo, então eles não estão tão preparados para uma relação de confiança e abertura; a relação sofrerá várias restrições de desejos pessoais e um conhecerá pouco o outro.

     Quanto a um argumento de Invasão de privacidade, no caso de a outra pessoa vasculhar o celular, facebook e etc; é devido a esse mistério que existe no casal e, geralmente um deles está dando motivo para acontecer (ou pode haver problema sério de ciúme). Isso é algo que se o casal não está tranquilo com o outro, eu sugiro que conversem (como conseguem conversar na empresa), com calma, sem acusações, pois o objetivo é chegarem a um acordo.

     Ciúmes Controlar não – Desenvolvimento sim:

     No consultório, com amigos e familiares, ocorre o oposto, a pessoa não sente prazer em ser constantemente alvo de interrogações sobre seu comportamento, como não responder rapidamente um Whatsapp, atrasar 15 minutos, etc.

     O poder das mídias visuais é tão grande, que parece que essa contradição está cada vez mais forte: “quero que ele(a) sinta ciúmes de mim X não suporto mais essa insegurança, tanto interrogatório”.

    Possíveis origens de ciúme em excesso, na infância: ciúme do irmão/irmã, pai/mãe (ou pessoas que tiveram esse papel). Quando o ciúme se origina nessa fase e, o indivíduo não amadureceu a fim de relacionar-se de forma saudável, é quando é mais forte e difícil de superar. Você deve ter percebido isso em criança ou cachorro.

     Não confundir CIÚME com INVEJA: ciúme é em uma relação a 3, ou seja, pode-se sentir-se incomodado por quem você gosta estar dando atenção a outra pessoa. Na inveja, é em uma relação a dois, quando a pessoa se incomoda por outra que tem(é) algo a mais. Ambas situações podem ocorrer de forma imaginária, de qualquer forma, o ciúme provoca uma insegurança insuportável, é como se fosse real, quem o sente sofre porque é corroído por pensamentos desagradáveis e, sabe que o(a) companheiro(a) também sofre, contudo é incontrolável.

    É importante cuidar disso, não apenas “ir levando”, ou “curar” através de um companheiro super estável/caseiro(a)/sem amigos. Enquanto não se cuida, experimentará depressão, entre outros incomodos; e, mesmo encontrando o(a) companheiro(a) acima, o que te leva a sentir-se assim, aparecerá de outra forma em outras situações, não apenas envolvendo pessoas, mas, por exemplo, em qualquer situação onde não sinta controle.

Ciúmes Controlar não – Desenvolvimento sim – Terapia:

     Quem tem dificuldades de confiar no outro, na vida, e/ou no relacionamento afetivo, terá também problemas com o psicólogo. Mas, é na boa relação e entendendo melhor como se é, enfim, na dificuldade de acreditar, que essa questão fundamental irá se desenvolvendo e o analisando melhorando no geral. Claro que eu sei que homem (hetero ou homo), na faixa dos 20/40 anos, são propensos  a terem uma relação extra-conjugal, mas devido ao comportamento dele é fácil identificar que ele não está passando confiança e, talvez possa ser interessante relacionar-se com alguém mais seguro. A questão aqui, é quando o ciúme é em excesso, prejudica sua vida e, até em relação a inseguranças/ansiedades em outras coisas da vida que não são certezas.

Artigo: Discutir a relação vale a pena

 

Bacellart Psicólogo é autor do texto Ciúmes Controlar não, Desenvolvimento sim.

Abordagem: psicoterapia fenomenologia existencial (Heidegger) e simpatia pela Psicanálise do amadurecimento de Winnicott. Se necessário, orientação comportamental de terapia breve.

Aluno convidado, doutorado USP (Gilberto Safra) e PUC (Zeljko Loparic).

Especialista em depressão, casamento e namoro.

Consultório Av. Paulista, Jardins, Cerqueira César, Bela Vista, Jardim Paulista. Metrô Consolação ou Masp/Trianon.

Possibilidade de entrevista para TV, rádio, revista e jornal. Ciúmes Controlar não - Desenvolvimento sim

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *