Baixa Autoestima e Terapia – Bacellart Psicólogo USP

Baixa Autoestima e Terapia

Autoestima Baixa, pt2 de 4

     Vamos falar sobre Baixa Autoestima e Terapia: um dos motivos que pode atrapalhar uma pessoa que sente-se em baixa autoestima para fazer terapia; é sua dificuldade de encarar suas dificuldades e sentir-se pior por precisar de ajuda. ‘Ir ao psicólogo’, é sentido como se fosse a prova de seu “fracasso”; sobretudo se precisar fazer acompanhamento concomitante com medicação. É importante a pessoa ter ciência de que sua baixa autoestima está dificultando essa situação de cuidar-se; além de lidar com o preconceito social.

     Nesse artigo darei mais destaque para a baixa autoestima, que é o que mais incomoda o indivíduo; e com o que os psicólogos iniciantes mais terão mais contato nos seus consultórios.

     Gostaria de trazer uma popular frase: “prefiro que sintam ódio de mim, do que pena”. Se alguém sente ódio por alguém, ele pode prejudicar esse indivíduo. Se o sentimento é de pena, isso significa misericórdia e, quem sente isso pelo outro, pode cuidar dele; o oposto do ódio.

     Contudo, o indivíduo tem seu Eu tão humilhado, que prefere que sintam ódio dele, algo destrutivo, ao invés de pena. Pois se o outro sentir misericórdia dele, irá atingir seu sentimento de baixa autoestima, de valer menos. Pois para ele, quem está na posição de receber ajuda é inferior, porque o outro que pode ajudar tem a mais que ele, tem esse poder, enquanto que ele, que precisa, não é encarado como normal, mas como fraco, o que é insuportável. Ser ajudado, a situação de sentirem pena dele, torna-se a prova real de sua “inferioridade”, podendo sentir depressão.

© Copyright – Bacellart Psicólogo USP – O ensaio aqui publicado pode ser reproduzido, no todo ou em parte, desde que citados o autor e a fonte.

     Acrescento outra expressão comum, a tal necessidade de “auto afirmação”. Quando imerso na baixa autoestima, há uma fragilidade do eu-mesmo, uma insegurança de ser no mundo. Para lidar com isso, o indivíduo por vezes costuma reafirmar-se; ou seja, fazer valer suas opiniões, repetindo-as com firmeza para si e para os outros, de modo que possa lidar melhor com sua fragilidade e seu sentimento de aquém, de abaixo; que assim vai formando sua Baixa Autoestima e Terapia(espero que se cuide).

Possíveis origens para a baixa autoestima, abrevio para BAE:

     a) Ambiente onde o indivíduo não se sentia amado o suficiente pelos que o educaram, não era encorajado, era reprimido.  A criança precisa de amor e estímulos, mas recebeu exatamente o oposto ou a indiferença.

      b) Ouvir queixas sobre seu comportamento como “faz tudo errado”, “burro”, “cala a boca”, “não sabe de nada”, inclusive punições físicas. Sofrer abusos preconceituosos sobre suas condições físicas, sua ascendência, raça, religião, ou sexualidade, enfim qualquer ponto que ela deixe de se enquadrar em valores sociais que predominam no momento. Como por exemplo ser chamado de “gordo”, “magrela”, “japa”, “caipira”, “pobre”, “gay”, “vesgo”; não conhecer programas de tv, também esportistas e artistas que estão em destaque no agora e, os mais diversos tipos de rejeições e hostilidades por quaisquer motivos.

     c) Na escola, os pais do colega o buscavam, os seus não eram presentes socialmente. Ausência do pai ou da mãe em sua vida; ciúmes de irmão geralmente mais novo; ter convivido em ambiente sócio-econômico bem acima do seu, onde não sentia-se a vontade em levar colegas para casa, não podia ter roupas e brinquedos mais sofisticados.

     d) Na construção de nossa identidade, é normal nos compararmos com o outro, até para entendermos melhor quem somos: únicos na vida. No entanto, há a tendência de se comparar aos ídolos da humanidade, o que o fará sentir-se sem valor.

Proposta base desse artigo: Baixa Autoestima e Terapia.

Sequência do artigo/entrevista: 1 ª parte    –    3ª parte    –    4ª parte

 

Bacellart Psicólogo

Abordagem: psicoterapia fenomenologia existencial (Heidegger) e simpatia pela Psicanálise do amadurecimento de Winnicott. Se necessário, orientação comportamental de terapia breve.

Aluno convidado, doutorado USP (Gilberto Safra) e PUC (Zeljko Loparic).

Especialista em depressão, casamento e namoro.

Consultório Av. Paulista, Jardins, Cerqueira César, Bela Vista, Jardim Paulista. Metrô Consolação ou Masp/Trianon.

Possibilidade de entrevista para TV, rádio, revista e jornal. Baixa Autoestima e Terapia


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *