Preocupação

Não confundir Ansiedade com Empolgação –

Empolgação, na maioria das vezes é saudável, embora possa ser exagerada e efêmera:

     Ao cuidar de um analisando ansioso, ou em momento de ansiedade, nossa paciência precisa estar em bom momento. Expectativas do psicólogo, sua postura, precisa de verdadeiro equilíbrio; lembre que o analisando quer resultados rápidos, o que pode atrapalhar a terapia. Quando me procuram relatando nessa situação, a questão para “resolver logo de uma vez” sempre está presente

     1) A psicoterapia é a forma mais ampla, profunda e individual de desenvolver a personalidade.

     2) “Infelizmente” quanto mais se quer uma existência saudável, mais tempo precisará cuidando-se em terapia, que já será um exercício importante para sua ansiedade. Por mais que focarmos questões práticas de rápida resolução, o desenvolvimento pessoal sempre é mais demorado. Por vezes, uma pessoa dedicada na terapia, observando-se, analisando o existir com mais propriedade; costuma ver-se mais próxima de uma saúde emocional em menos tempo. Seja como for, lembre que você gastou anos para se formar, anos para comprar um imóvel; e outras coisas que demandam tempo; então, que tal gastar, ao menos alguns meses; em um desenvolvimento pessoal que repercutirá em vários setores de sua vida e para sempre?

 

 © Copyright –  Bacellart Psicólogo U.S.P. – O ensaio aqui publicado pode ser reproduzido; no todo ou em parte, desde que citados o autor e a fonte.

 

Viver o Agora:

      É comum em um indivíduo ansioso, a existência no agora, em seu momento presente. Isso certamente influencia na sua ansiedade, pois com a “perda” de seu por vir, futuro, não há espaço para a espera. A “perda” de seu passado, também atrapalha, pois se “esquece” dos aprendizados que podem servir de referencial no hoje; um exemplo simples: ansioso por algo que comprou/inseguro e ainda não chegou, sendo que fazem três dias da data da compra. Ao lembrar-se com propriedade que, supondo, 90% das compras que fez chegaram em 4 dias, isso serviria para atenuar a expectativa/medo que dê algo errado.

     Geralmente esse viver no agora, diz respeito a quem está em momento de defesa para não pensar em futuro/passado sombrios; ou não teve a oportunidade de amadurecer sua temporalidade, afinal somos seres temporais passado-presente-futuro convivendo de forma circula. Na prática clínica, sendo psicólogo, me preocupo com essa questão, pois a pessoa constantemente repete erros; pois o que poderia ser um aprendizado (tempo passado), desaparece no estar-no-agora.

 

Questão social:

     Ansiedade, estresse, pânico, termos tão comuns no século XX no mundo; podemos ver do ponto de vista social, sobretudo aqui em São Paulo capital.  Mas, aqui em psicoterapia, o fundamental é vermos o desde quando o indivíduo é ansioso; para entender as origens de sua ansiedade, que pode ser desde sua infância, e quanto o analisando está amadurecido para lidar com as exigências da vida. Uma pessoa que chega a nós, psicólogos, com queixa dessa natureza, é devido a esse jeito de ser estar tendo incômodos fortes e constantes.

 

Compreendendo melhor:

     Uma questão básica, é que o indivíduo pode ter tido um problema na continuidade de seu ser; ou seja, uma quebra no ritmo de sua maturidade. Se toda criança é “ansiosa” (o uso de aspas é proposital); pois essa criança não é ansiosa, ela simplesmente'”é criança’, esse ansiosa é no referencial do adulto. Enfim, em outras palavras, a criança que não se desenvolveu bem para lidar com sua temporalidade (saber esperar, imediatismo), além de ser impulsiva; caso seu amadurecimento teve uma ruptura e, que de certa forma abarcou a “ansiedade infantil”, isso refletirá em um adulto ansioso.

    Um ponto importante para entender ambos Terapia e ansiedade; é o sentimento de insegurança/medo/preocupação que a pessoa experiencia. Esses sentimentos provém de situações que interromperam um bom desenvolvimento do EU: família ansiosa/depressiva é o mais comum, mas também problemas de saúde como asma, que exigiram várias internações, comunidade violenta, mudanças constantes e bruscas de casa e escola, estupro, entre outras.  Seja qual for a origem da ansiedade, o analisando será cuidado com humanidade.

 

Ansiedade Saudável:

    Lembro que há o que podemos chamar de ‘ansiedade saudável’, que faz parte de alguém em expectativa por algo que muito quer (desde que não sofra com isso e não tenha seus afazeres prejudicados), e que essa ansiedade positiva pode nos colocar na luta pelo que desejamos alcançar.

    Há uma questão a primeira vista estranha: a ansiedade pode ser uma forma como a psiquê lida com uma depressão, seria uma forma de a pessoa ter um viver “menos mal” do que se estivesse na depressão, pode então, ser uma defesa à depressão. Veja que remédio antidepressivo age também na ansiedade. A princípio, pode parecer o oposto de depressão, mas muitas vezes podem estar concomitantes.

    Aos psicólogos iniciantes, lembro da importância de estarem pacientes com o analisando nesse momento de ansiedade; e, se for da personalidade da pessoa ser ansioso “desde sempre”, então é o analisando que precisa aprender a esperar; tudo, inclusive pelo seu desenvolvimento, pela (e na) terapia e ansiedade.

 

Necessidade de controle:

     Outra questão que pode ocasionar uma ansiedade, é quando a pessoa por diversos motivos, necessita de controle no que faz/planeja (geralmente é para amenizar um medo, se proteger, exigências de o que faz saia perfeito).

     Isso pode ser parecido com quem tem TOC, pois a preocupação é que tudo saia da melhor forma possível, também pode ter semelhança com quem tem baixa autoestima e se cobra fazer tudo da melhor forma. Como sabemos que existem imprevistos, como uma doença, a falta de garantias de uma certeza, leva a preocupações e ansiedades.

     Conseguir se fortalecer para lidar com as inconstâncias da existência, aceitar que estamos sujeitos a erros e que a realização de algo “perfeito” não existe ou demanda um esforço sobrenatural inalcançável; que mesmo que tentemos agir assim, no mínimo nos gerará estresse entre outros problemas. Junto com o psicólogo, debatendo, na terapia ansiedade, revendo esse tema; vai ajudar a administrar grandes expectativas ajuda a nos cobrar menos, bem como ao outro, e levarmos uma vida menos tensa e mais prazerosa.

 

 Questão base: exercitar a Aceitação; e, nesse caso, focar no agora.

 

Espero Ter ajudado!

 

 

Please rate this